sábado, 28 de outubro de 2017

Notícia - Olivicultores do Alentejo esperam menos produção de azeitona e de azeite


Olivicultores da região do Alentejo, a maior produtora nacional de azeite, esperam este ano quebras na produção de azeitona, porque, apesar de os olivais estarem carregados, a seca antecipou a maturação do fruto.

«A azeitona ainda está em processo evolutivo, mas, no que toca ao estado geral do fruto, que é o que se vai repercutir na quantidade, a situação não está famosa, não vislumbramos grande produção no olival de sequeiro», considerou Luís Crisóstomo, gerente da Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos (CAMB).

Devido «à seca extrema» que afeta a margem esquerda do Guadiana, o responsável da cooperativa, com quatro mil associados, 1.200 dos quais olivicultores, disse à agência Lusa esperar, para este ano, uma «quebra significativa» de azeitona, nos cerca de 20 mil hectares de olival nos concelhos de Moura e Barrancos, no distrito de Beja.

«As oliveiras estão carregadíssimas, têm muita azeitona e os ramos até dobram, parecem choupos, de tão carregadas que estão. Mas, numa situação de seca, o que vai acontecer é que a azeitona vai cair para o chão, mesmo sem atingir o estado de maturação, e acaba por ser azeitona perdida», assinalou.
A campanha de apanha da azeitona na área abrangida pela CAMB deverá começar «muito em breve, ainda este mês», e, apesar de o ano agrícola, em termos sanitários, ter sido «bom», porque o tempo seco e quente «ajudou a controlar naturalmente as pragas», os técnicos «notam uma antecipação da maturação da azeitona, que já está a ganhar cor»

O panorama, devido à seca que afeta 81% do país e, em particular, o Alentejo, que produz cerca de 70 a 80% do azeite nacional, é semelhante no distrito de Évora, com a Cooperativa de Olivicultores de Borba a indicar, igualmente, que a azeitona vai cair ao chão.

«O olival até estava bem composto e perspetivava-se uma campanha boa e um pouco melhor do que a do ano anterior, mas, devido ao fator climático e às altas temperaturas, o olival está em decadência e a azeitona que está na árvore pode começar a cair», disse à Lusa Paulo Velhinho, diretor executivo da cooperativa.

Se chover nas próximas semanas, admitiu, «parte do olival pode ser recuperado» e «poderá salvar-se alguma azeitona que está em maturação», mas já é certo que o tempo quente afete «a produção e a qualidade da azeitona».

«A seca que está a decorrer poderá afetar os olivais nos próximos anos», projetou também o responsável da cooperativa olivícola, que é uma das maiores do Alentejo, com cerca de 600 associados,

No norte alentejano, José Casimiro Bezerra, presidente da Cooperativa Agrícola do Concelho de Portalegre (COOPOR), também assinalou à Lusa que «a azeitona amadureceu mal, cedo demais, por causa da seca», o que se vai traduzir na altura da colheita, no próximo mês, com «o aparecimento de mais podridões e mais mosca».

«Esta situação vai afetar produção, a qualidade e a quantidade», alertou. A cooperativa, por isso, vai ter «menos azeite», mas José Casimiro Bezerra disse desconhecer se esta situação poderá provocar o aumento do preço deste produto. 

Informação retirada daqui

Sem comentários:

Enviar um comentário