segunda-feira, 8 de julho de 2019

Workshop “Small is Smart” em outubro na Roménia


O workshop “Small is Smart”- Soluções inovadoras para pequenas explorações agrícolas e florestais realiza-se a 29 e 30 de outubro, em Bucareste, Roménia.

O evento, organizado pela PEI-AGRI - Parceria Europeia de Inovação para a Agricultura, tem como objetivo promover o trabalho em rede entre pessoas ligadas à inovação e à adoção de novas tecnologias em pequenas explorações agrícolas e florestais.

O workshop, que pretende juntar agricultores, organizações de agricultores, silvicultores, pequenos e médios empresários, consultores, investigadores, académicos e entidades ligadas ao desenvolvimento rural, visa a identificação de desafios comuns e a discussão de possíveis soluções para os mesmos, assim como a troca de boas práticas, conhecer projetos inovadores e promover a cooperação. 

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Municípios e Rotas do Vinho de Portugal com projeto para oferta integrada de enoturismo


Portugal vai ter, a partir de novembro, um sítio na internet com toda a oferta de enoturismo existente, foi anunciado esta quinta-feira, dia em que começou em Torres Vedras o 10.º Congresso Internacional de Enoturismo e terceiro da Europa. 

O projeto Enoturismo.pt está a ser desenvolvido pela Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV) e pela Associação das Rotas dos Vinhos de Portugal.

«Não existe um meio com uma oferta integrada de enoturismo e queremos responder a essa falha, com uma oferta por concelho e por região vitivinícola de tudo o que está relacionado, desde adegas, museus, restaurantes ou hotéis», disse à agência Lusa o secretário-geral da AMPV, José Arruda.

O “site” vai ajudar «a promover o vinho e gastronomia nacionais e trazer mais riqueza para os territórios», sublinhou. A ferramenta vai ser lançada em 7 de novembro, no Congresso de Enoturismo de Portugal, em Peso da Régua, no distrito de Vila Real.

Um estudo realizado em 2016 pela Universidade de Aveiro para aquelas associações, a que a Lusa teve acesso, conclui que o enoturismo está em crescimento no país: os enoturistas passaram de 11,4 milhões em 2005 para 19,1 milhões em 2015.

Também o Turismo de Portugal está a criar uma plataforma vocacionada para a promoção externa do enoturismo. Os enoturistas permanecem em média três noites e geram receitas que, em 2005, eram de um milhão de euros e, em 2015, 1,9 milhões de euros. Os dados foram recolhidos junto de operadores com atividades ligadas ao enoturismo nos territórios onde existem rotas do vinho.

Ivane Favero, presidente da Associação Internacional de Enoturismo, que organizou o congresso, adiantou à Lusa que, em todo o mundo, já existem empresas para as quais o enoturismo representa 70 por cento da sua faturação.

«Há casos de empresas que vendem todos os seus vinhos ao balcão aos turistas e faturam com a venda de experiências, o que tem de ser incentivado, uma vez que, quando a produção não é tão boa, produção que só acontece uma vez por ano, podem contrabalançar o negócio com o enoturismo, que pode ser trabalhado todos os dias», salientou.

Em Torres Vedras, no distrito de Lisboa, foi anunciada a realização da V Conferência Mundial de Enoturismo 2020 em Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, onde está prevista a apresentação da primeira Carta Mundial de Enoturismo.

O congresso juntou esta quinta e na sexta-feira cerca de uma centena de participantes, entre empresários, dirigentes associativos, autarcas e técnicos ligados ao vinho.

Fonte: Lusa 

sábado, 10 de novembro de 2018

Notícia - “Setor alimentar e biodiversidade” em debate


O IST, em colaboração com a PortugalFoods e no âmbito do projeto “LIFE Food & Biodiversity – Biodiversidade nas Normas e Selos da Indústria Alimentar”, organiza o evento “Setor alimentar e biodiversidade – impactos, recomendações e propostas de ação”, que visa apresentar:

- Recomendações do projecto para a integração da biodiversidade nas linhas orientadoras e cadernos de especificações das normas e selos do setor alimentar e do retalho;

- Informação sobre os impactos e boas práticas de produção de vários alimentos na biodiversidade;

- Casos de implementação de estratégias de biodiversidade por empresas alimentares nacionais e internacionais.

- Debater a implementação de melhores estratégias e práticas de biodiversidade no sector alimentar e do retalho.

A iniciativa realiza-se a 29 de novembro, no IST, em Lisboa, a partir das 13:45.

O evento é destinado a gestores de marca, produto, qualidade e ambiente do setor alimentar e do retalho; auditores e entidades certificadoras; consultores e explorações agrícolas fornecedoras; ONG de ambiente e de consumidores.

A entrada é livre.

http://www.agronegocios.eu/noticias/setor-alimentar-e-biodiversidade-em-debate/

Notícia - Incêndios: Governo vai apoiar substituição de eucaliptos por espécies resilientes


O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural anunciou, no Parlamento, que o Governo vai apoiar a substituição de eucaliptos por espécies resilientes ao fogo.

«O Governo decidiu apoiar financeiramente a retirada de plantações de eucaliptos», disse Luís Capoulas Santos, esta quarta-feira, durante uma audição parlamentar conjunta com a Comissão de Agricultura e Mar e a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

De acordo com o governante, a portaria que consagra a medida deverá ser publicada esta sexta-feira em Diário da República.

Apesar de não revelar mais detalhes, o governante disse que a «portaria vai beneficiar despesas de arranque desde que na mesma área seja colocada uma espécie resiliente ao fogo».

Em 25 de outubro, o ministério da Agricultura anunciou que a compra de plantas de eucalipto vai passar a exigir uma autorização prévia e os proprietários de plantações ilegais serão multados com coimas entre os 3700 e os 44 mil euros.

A decisão foi tomada durante uma reunião de Conselhos de Ministros, na Tapada de Mafra, e foi anunciada por Capoulas Santos, que afirmou que passa a ser «obrigatório a quem compra plantas de eucalipto a um viveirista ter uma autorização prévia».

Quem não cumprir com a nova regra e decidir avançar para plantações ilegais de eucaliptos será penalizado: «estão previstas coimas no máximo de 3700 euros para os cidadãos e de 44 mil para as entidades coletivas», explicou, na altura.

O combate à plantação ilegal de eucaliptos faz parte de um conjunto de normas que responsabilizam os produtores e os viveiristas, disse, à data, o governante, recordando algumas das medidas que em breve se poderão traduzir numa redução de zonas de eucalipto.

Desde o início do ano, é proibido plantar em determinas áreas e «por cada hectare retirado de uma área onde é inadequado que esteja em termos de reordenamento florestal» pode-se plantar apenas «meio hectare numa outra área sujeita a ordenamento».

Capoulas Santos acredita que, com esta medida, «a área do eucalipto ficará limitada e poderá ainda regredir um pouco», mas tal não irá «prejudicar a quantidade global de matéria-prima necessária para alimentar uma indústria que é importante para o país e representa muitos postos de trabalho».

Fonte: Lusa

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Notícia - Perda de culturas para pragas de insetos irá agravar-se com o aumento das temperaturas


A quebra de produtividade devido a pragas de insetos no milho, no trigo e no arroz pode aumentar entre 10 a 25% por cada grau a mais.

É certo que a produtividade das culturas agrícolas diminui à medida que as temperaturas aumentam com as alterações climáticas. Agora, um grupo de investigadores norte-americanos provou que essa perda pode vir a ser agravada entre 10 a 25% pelas pragas de insetos (que já são responsáveis por quebras na ordem dos 5 a 20%), por cada grau a mais em relação à temperatura média.

Os cientistas estimam que, com o aumento das temperaturas em 2 graus Celsius, as perdas relacionadas com as pragas aumentem 49%, 19% e 31% para o trigo, o arroz e o milho (as três culturas estudadas), respectivamente. O que corresponde a perdas de 59, 92 e 62 megatoneladas por ano.

O trabalho dos investigadores norte-americanos das universidades de Washington, Colorado, Vermont e Stanford foi publicado na revistaScience, esta sexta-feira. O trabalho baseia-se em dados sobre 38 espécies de insectos diferentes.

«Usámos as relações estabelecidas entre a temperatura, o crescimento populacional e as taxas metabólicas dos insetos para estimar como e onde o aquecimento global provocará o aumento das perdas de produtividade», explicam os investigadores no artigo.

Outra das conclusões a que chegaram é que «as perdas serão mais agudas em áreas onde o aquecimento provoca um maior crescimento populacional e aumento das taxas metabólicas dos insectos».

Estas condições existem nas zonas temperadas, onde a maioria destes cereais é produzida.

Aquilo que os agricultores tentam fazer atualmente para controlar estas pragas será infrutífero.

«A aplicação de mais pesticidas, o uso de culturas geneticamente modificadas e práticas como a rotação de culturas ajudarão a controlar as perdas de insetos. Mas ainda parece que em praticamente todos os cenários de mudança, as pragas serão as vencedoras», diz ao jornal britânico The Guardian Rosamond Naylor, investigador na Universidade de Stanford e um dos membros da equipa.

http://www.agronegocios.eu/noticias/perda-de-culturas-para-pragas-de-insetos-ira-agravar-se-com-o-aumento-das-temperaturas/

Notícia - Em novembro chega a Feira dedicada à Maçã


A Feira Internacional de Produção, Armazenamento e Comercialização de Maçãs (Interpoma) irá decorrer de 15 a 17 de novembro, em Itália. 

Trata-se da única feira do mundo dedicada exclusivamente à produção de maçãs.

Entre as proposta da organização, destaque para visitas guiadas a explorações.

As mais recentes inovações deste setor estarão em montra com várias empresas a mostrarem os seus produtos e serviços. 

http://www.agronegocios.eu/noticias/em-novembro-chega-a-feira-dedicada-a-maca/

Notícia - Concurso queijos de Portugal: provas decorrem em outubro

A décima edição do Concurso Queijos de Portugal está de regresso.

As provas irão decorrer nos dias 11 e 12 de outubro nas instalações da ALS CONTROLVET / FULLSENSE, em Tondela.

A organização salienta que este concurso «já se afirmou «como a referência nacional que premeia, ano após ano, o que melhor se faz nesta primordial área da indústria de laticínios».

Como em todas as edições, os queijos apresentados a concurso serão alvo de uma avaliação objectiva e técnica por parte de provadores especialistas, com formação específica, representando o setor queijeiro, gastronómico, a distribuição, a imprensa e os consumidores.

A cerimónia de entrega de prémios do Concurso Queijos de Portugal terá lugar na FIL- Parque das Nações em Lisboa, no dia 29 de outubro, no decorrer do evento Grandes Escolhas | Vinhos&Sabores 2018, que se realizará entre os dias 26 e 29 de outubro.

http://www.agronegocios.eu/noticias/concurso-queijos-de-portugal-provas-decorrem-em-outubro/